LOADING

Digite para procurar

Crédito para empreendedores: conheça as opções disponíveis no mercado

Patrícia Rodrigues
Compartilhar

Confira alguns recursos oferecidos para alavancar pequenas empresas, startups e empreendedores individuais — especialmente as que atuam com produtos e serviços de relevância econômica, tecnológica e social

No início ou em qualquer etapa de um negócio, toda operação requer investimentos. Para empreender, diversas instituições convencionais já oferecem produtos e serviços para quem precisa de crédito — seja para iniciar ou expandir suas atividades. A seguir, a professora Letícia Menegon, coordenadora da Incubadora ESPM-SP, explica que todos os bancos públicos (e privados) possuem linhas de crédito já bastante conhecidas para o fomento desses negócios. “BNDES, Caixa Econômica e Banco do Brasil costumam estar na linha de frente, mas existem outros fomentadores públicos, ONGs e outras instituições que encampam iniciativas inovadoras relacionadas à tecnologia ou de cunho social”, avalia. A seguir, conheça algumas delas:

Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP): tem como objetivo ampliar a competitividade do Estado, oferecendo diversas linhas e condições para o financiamento de projetos de alto potencial inovador de startups e pequenas e médias empresas (PMEs);

Juro Zero: linha de crédito cedida pelo Sebrae-SP em parceria com o Governo do Estado, tem como valor limite R$ 20 mil e não cobra juros do empreendedor MEI.

Banco do Povo: a entidade, administrada pelo Governo de São Paulo, disponibiliza linhas de crédito tanto para empreendedores formais quanto informais. Neste momento de crise com a pandemia do coronavírus, foram liberados R$ 150 milhões para aquecer a economia do Estado e auxiliar os microempreendedores (R$ 100 milhões do Banco do Povo e R$ 50 milhões do Sebrae-SP, por meio do programa Empreenda Rápido).

Fapesp: por meio do programa PIPE Empreendedor – Programa de Treinamento em Empreendedorismo de Alta Tecnologia, a agência tem o objetivo de conferir mais robustez e sustentabilidade comercial às propostas de pesquisadores vinculados a empresas de pequeno porte já aprovadas pelo PIPE. Os projetos de pesquisa são os que podem ser desenvolvidos em duas etapas (demonstração da viabilidade tecnológica de produto ou processo, com duração máxima de nove meses e recursos de até R$ 200 mil e desenvolvimento do produto ou processo inovador, com duração máxima de 24 meses e recursos de até R$ 1 milhão). O mais recente edital da agência chamou para projetos de startups e pequenas empresas que operam com pesquisas e produtos para o Combate à COVID-19. As propostas aprovadas somam R$ 6 milhões, de um total disponível de R$ 20 milhões.

Yunus Negócios Sociais Brasil – tem como objetivo desenvolver negócios sociais pelo país através de seu fundo de investimentos e aceleradora para negócios com finalidade social.

Saiba que também é possível receber aportes de outras fontes:

  • Muitos empreendedores que deram certo também estão de olho em outras oportunidades de abraçar novas empresas;
  • Muitas empresas também querem diversificar o portfólio e buscam startups com potencial de crescimento e valor futuro;
  • Outras ainda compram participações acionárias;
  • Outras não oferecem o capital, mas podem participar da gestão, que é uma maneira de profissionalizar o novo negócio.

BNDES

Finame – Máquinas e Equipamentos. Financia a aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional.

Capital Inovador. Apoia empresas no desenvolvimento de atividades inovadoras em caráter sistemático, que compreende investimentos em equipamentos, construções e projetos.

Inovação Tecnológica (foco no projeto). Apoia projetos de inovação de natureza tecnológica que busquem o desenvolvimento de produtos e/ou processos novos ou significativamente melhorados e que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado.

Programa Criatec. Injeta capital em pequenos negócios inovadores e oferece a elas apoio gerencial.

Finep

Finep Inova Brasil. Voltado para empresas de todos os portes, oferece taxas diferenciadas conforme as diretrizes da nova política industrial, que dividiu os setores da economia em três grandes eixos: programas mobilizadores em áreas estratégicas, programas para conciliar e expandir a liderança e programas para fortalecer a competitividade. Dá suporte à Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do Governo Federal.

Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (Pappe). Apoia projetos de pesquisa e desenvolvimento de produtos e processos, elaboração de planos de negócios e estudo de mercado, prioritariamente em empresas de base tecnológica, sob a responsabilidade de pesquisadores. O Pappe é operacionalizado pela Finep em parceria com as Fundações de Amparo à Pesquisa (FAP) estaduais.

Programa Inovar. Dirigido a empresas de pequeno e médio porte que têm a inovação tecnológica como elemento central em sua estratégia de negócios. É uma ação estratégica de promoção de instrumentos para o financiamento das empresas, especialmente por meio do capital de risco.

Subvenção econômica. Destina recursos públicos não reembolsáveis para projetos

Tags:
Patrícia Rodrigues

Jornalista colaboradora do Trendings.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *