LOADING

Digite para procurar

O que as pessoas mais buscam na pandemia

Jorge Tarquini
Compartilhar

Pesquisa baseada em buscas na internet mostra os setores que ganharam força mesmo diante da maior crise econômica da era moderna fora de tempos de guerra

A cada nova crise, uma verdade sempre prevalece: haverá quem cresça em tempos difíceis. Com o coronavírus não está sendo diferente. Alguns setores são claramente os mais atingidos, mas outros, por funcionar como suporte em momentos difíceis, acabam por crescer de modo impressionante.

Para identificar quais estão numa ponta ou na outra dessa equação que a SEMrush, empresa de marketing digital baseada nos Estados Unidos, realizou uma pesquisa para analisar o fluxo de buscas por produtos e serviços na internet nos três primeiros meses do ano para detectar quem cresceu e quem diminuiu nesta crise – em que, estima-se, 1/3 da população mundial está de quarentena.

EM ALTA

Plataformas de trabalho remoto

Zoom
– saltou de 10 milhões de usuários para 300 milhões em três meses
– valor da empresa saltou de US$ 4 bilhões para US$ 7,8 bilhões
– 22.26% mais pesquisas da marca entre novembro e março

Skype
– aumento de 220% nos minutos de chamadas entre fevereiro e março

MIcrosoft Teams
– 200% de aumento no uso da versão mobile
– 500% de aumento no número de reuniões

Fitness em casa
– 70% mais buscas por cordas de pular e halteres
– 66% de aumento por pesquisas de yoga online

Plataformas de streaming
– aumento médio de 12,7% de buscas por serviços de streaming entre fevereiro e março
– Disney+: 43,5%
– HBO: 24% (no Brasil, + 50% – nov/19 – mar/20)
– Netflix: 18% (no Brasil, + 22,36% – nov/19 – mar/20)

Empresas de entrega de comida
– 80% mais pesquisas sobre serviços de entregas de alimentos
– no Brasil, o iFood, por exemplo, viu seu tráfego aumentar 24,9% entre novembro e março

EM BAIXA

Companhias aéreas*
– Queda de 17% nas buscas das principais aéreas globais (jan/fev)
– China Southern (-45% de buscas)
– Bangkok Airways (-33%)
– China Eastern (-33%)
– Passaredo (-33,3%)
– Gol (-33,3%)
– LATAM (-33%)
*Buscas entre novembro e março

Em março, porém, por causa das tentativas por remarcações, cancelamentos e reembolsos, as aéreas voltaram a crescer sua presença nas buscas. O que se refletiu, ainda, em mais citações no Twitter no mês de março.

Além disso, a perda se reflete em valor das ações: companhias como United viram suas ações despencarem 74% entre 20 de fevereiro e 20 de março (de US$ 80 para US$ 20).

Hotelaria*
– Raffles Luxury Hotels (-33%)
– Choice Hotels (-19%)
– Disney Resorts (-18,5%)
* buscas entre janeiro e fevereiro

Para março, a pesquisa indicava queda de 14,9%

Para conferir a pesquisa completa, clique aqui.

LEIA TAMBÉM:

Busca por jogo de tabuleiro bate recorde durante a quarentena

Saúde x Privacidade: riscos e vantagens da vigilância no combate ao coronavírus

Mundo pós-pandemia: especialistas de diferentes áreas fazem previsões

Tags:
Jorge Tarquini

Curador do #Trendings.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *