fbpx
LOADING

Digite para procurar

Internet das coisas: a origem e o futuro da tecnologia que está mudando o mundo

Patrícia Rodrigues
Compartilhar

Antes eram apenas computadores conectados, agora são as pessoas e, em breve, todas as coisas. Essa é a realidade da nova revolução da internet

“Internet das coisas” (ou IoT, em inglês) pode parecer um conceito novo e complicado, mas o termo apareceu pela primeira vez em 1999 em um artigo do cientista britânico Kevin Ashton — ele mesmo um pioneiro na identificação de produtos por radiofrequência. E, de certo modo, já estamos familiarizados com essa tecnologia desde a primeira conexão de rede há 50 anos (29 de outubro de 1969): o primórdio da internet que conhecemos.

“A partir do momento em que os computadores deixaram de ser uma ‘máquina de escrever’ de luxo, sendo conectados a redes, eles passaram a ter inteligência, revolucionando o mundo”, lembra Cleber Paradela, professor de futurismo na Pós-Graduação em Inovação, Design e Modelagem de Negócios da ESPM e head de brand experience da 99. “A internet das coisas é mais uma nova fase desse processo: pegar objetos que até então funcionavam isoladamente, de forma analógica, e fazer com que eles gerem dados e informações que possam transformar o mundo à nossa volta. Portanto, IoT é a capacidade de você identificar, observar e controlar o mundo físico por meio de sensores.”

Cercados por dispositivos

Há muitos anos temos diversos sensores que conseguem identificar e observar fenômenos físicos como a temperatura, umidade, movimentos, pressão… Um bom exemplo deles está bem no seu bolso: só o seu smartphone possui mais de 20 deles! “Hoje esses sensores estão ficando cada vez menores, mais baratos, podendo ser colocados em quaisquer objetos, desde os flexíveis em roupas e os biométricos no corpo humano”, explica o professor.

A esse cenário, somam-se o avanço da inteligência artificial (IA) — capaz de interpretar os dados coletados, ajudar a tomar as melhores decisões — e a tecnologia 5G. Esta última é fundamental para o IoT e para outras inovações, pois permite, em um raio de até um quilômetro, levar mais dados, fazer muito mais conexões instantâneas e automáticas (sem delay entre um objeto e outro) a uma velocidade infinitamente superior, entre as principais vantagens.

“Cidades, carros, ruas, será tudo conectado, gerando informação. A partir disso, poderemos tomar melhores decisões”, exemplifica Paradela. “É o começo de uma nova era, a quarta revolução industrial ou a revolução da internet industrial, que é a capacidade de usar a inteligência artificial, machine learning, robótica, cloud connect… Isso vai mudar não só a indústria, mas a relação com as cidades e com as pessoas”.

Quer ver mais conteúdos como este?

Assine gratuitamente a newsletter quinzenal do Trendings. Basta preencher o formulário abaixo:

Tags:
Patrícia Rodrigues

Jornalista colaboradora do Trendings.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *