LOADING

Digite para procurar

Gamificação: 4 erros que sua empresa não deve cometer

Filipe Oliveira
Compartilhar

Especialista consultado pelo Trendings aponta algumas falhas que empresas já cometeram ao criar projetos de gamificação

Em nosso primeiro texto sobre gamificação, explicamos do que se trata essa técnica, como executar um projeto do tipo e o quanto é necessário investir. Dando sequência ao tema, abordamos alguns erros cometidos no mercado que as empresas jamais deveriam repetir. A lista foi feita com base em nossa entrevista com Mauro Berimbau, professor das disciplinas de pesquisa sobre jogos eletrônicos, entretenimento e marketing na ESPM. Confira a seguir:

Pegar a onda sem antes estudar o assunto

“Se tivesse que determinar um erro mais comum, talvez sejam as pessoas não preparadas. É o que chamo em sala de aula de ‘surfista’. É o cara que olhou, tá na moda, é a nova onda, então vai surfar. O cara pega a prancha e fala que está fazendo gamificação.” Antes de iniciar um projeto de gamificação, estude o tema. Clique aqui para conferir algumas fontes.

Entregar o seu projeto a um “surfista”

“Leituras preparatórias são importantes até para que na hora que você bata na porta de empresas ou profissionais, saiba quem é um especialista ou um ‘surfista’ (que fala bem, mas não entende tanto do ponto de vista mercadológico ou educacional). E não vai atender a demanda de sua empresa.”

Não aproveitar ao máximo esse recurso

O professor avalia que outro erro cometido por marcas é não aproveitar ao máximo o potencial da gamificação para estabelecer conexões com os consumidores. “Tem vários casos de empresas que pegam um jogo que já existe, tipo um Pacman, mudam o bonequinho para o logo da marca e permitem que o consumidor jogue Pacman com ele. Não posso dizer que isso não é gamificação, mas posso dizer que gamificação pode ser muito mais do que isso.”

Pensar apenas em prêmios

Outro erro, segundo Berimbau, é investir apenas em pontos, medalhas e premiações, sem trabalhar as motivações intrínsecas do consumidor. “Oferecendo as velhas estratégias de dar um prêmio. Tudo pelo prêmio, pelo carro, pelo dinheiro”, comenta o especialista. “Para quem vai trabalhar com gamificação é fundamental saber quais são as necessidades do seu consumidor ou como ele quer se conectar com sua marca. Ele já consome, já gosta do seu produto, está lá presente. Como você pode fazer com que ele seja reconhecido como tal?”

LEIA TAMBÉM:

Busca por jogo de tabuleiro bate recorde durante a quarentena

Digitalização dos processos seletivos acelera na pandemia: veja vantagens e desvantagens

Os eSports vencem a pandemia

Tags:
Filipe Oliveira

Editor do #Trendings.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *