LOADING

Digite para procurar

Renegocie suas metas

Jorge Tarquini
Compartilhar

Qualquer empresa séria estará aberta a rever metas estipuladas ainda em 2019 para o ano de 2020. Se não estiver, vale a pena repensar sua carreira…

Em outubro e novembro de 2019, todas as empresas traçaram seus planos estratégicos e de metas para 2020. E, como todo mundo está mais do que cansado de saber, março chegou – e, com ele, a pandemia.

Mesmo que hoje, mais de nove meses depois, muita coisa já tenha se ajustado, com alguns setores até superando as metas inicialmente traçadas, a realidade para a maioria deles ainda é de incertezas e de recuperação. E, nesse tempo percorrido, a principal pergunta que se deve fazer é: as metas estabelecidas no final do ano passado ainda são uma medida confiável da performance geral da empresa e das pessoas?

As maiores corporações, com destaque para as multinacionais, foram as primeiras a entender que não valeria a pena dar “murro em ponta de faca”. Primeiro desafio: dialogar com os shareholders para que o instinto inicial, do lucro “no matter what”, desse lugar a uma revisão de metas. Isso para convencê-los de que a sobrevivência do negócio fosse pensado no médio e longo prazos diante de incertezas que se iniciam com a duração da crise – e não apenas uma análise fria do “cumpriu” ou “não cumpriu” as metas.

Isso, porém, nem de longe significou baixar as expectativas – mas readequá-las, em nome de criar réguas de medição que dariam parâmetros claros do desempenho dentro do cenário de instabilidade. E as lições tiradas com essa pequena mudança de foco são, hoje sabemos, o caminho da perenidade: atravessar o mar bravio e chegar ao porto seguro com todos vivos a bordo.

Aí fica a pergunta: na empresa em que você trabalha há margem para uma revisão ou você está “correndo atrás do prejuízo” para ter de entregar o que foi combinado antes da pandemia chegar? Se houver espaço para dialogar, dialogue. Se não houver, certamente, mesmo que as metas sejam “batidas”, o custo alto pode causar estragos no casco do navio. Melhor aproveitar quando a crise passar e levar seu talento para onde ele possa fazer a diferença.

LEIA TAMBÉM:

Executivos debatem o papel do CEO no ‘novo normal’

“A transformação digital requer uma forte liderança para impulsionar a mudança”

Especialista explica a importância do feedback em home office

Tags:
Jorge Tarquini

Curador do #Trendings.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *