LOADING

Digite para procurar

Conflitos, sim. Desrespeito? NÃO!!!

Jorge Tarquini
Compartilhar

Ninguém é pago para gostar de ninguém no trabalho. Porém, nada justifica desprezar regras de civilidade

Às vezes o santo não bate. Fato. Aquele colega, aquele chefe, o novo vizinho de mesa… Acontece. E pode ser recíproco ou ser você o colega, o chefe ou o novo vizinho de mesa que alguém não vai gostar.

Por que, então, isso mexe tanto conosco – sejamos nós a não gostar ou não ser “gostados”?

Talvez o papel que o trabalho tem em nossas vidas tenha nos feito esquecer que aquela não é nossa vida: é apenas o nosso trabalho. Afinal, ficamos muitas e muitas horas no escritório, mais do que em casa. E passamos muito mais tempo com os colegas do que com a família ou os amigos. Isso faz com que as relações pareçam (repito: pareçam) a coisa mais importante das nossas vidas.

Mesmo assim, é do jogo: algumas relações vão ter arestas, haverá rusgas, eventualmente um tom menos amistoso. É saudável, pois trabalho não é espaço de consenso, mas de soma – de visões, de expectativas e de experiências diferentes. Faz parte da melhor alquimia possível para bons resultados.

Sabe o que não dá? Desrespeito. E ele, geralmente, acontece mais pelo “como” do que pelo “o que” dizemos ou fazemos para os nossos “desafetos profissionais”.

Podemos discordar, dizer que a ideia não é tão boa, propor alguma alteração no trabalho do outro. Sublinhar a discordância, a opinião sobre a i/deia ou a sugestão de mudança no trabalho com ironia, com desprezo, deixando claro, no subtexto do tom de voz, da fala corporal ou na explicitude das palavras é pura falta de caráter, de transparência, de maturidade e de profissionalismo.

Aliás, até já inventaram um termo para isso: assédio moral.

Não precisa fingir que gosta. Não precisa sorrir falso. Basta honestidade e um tantinho de empatia: como você se sentiria se estivesse no lugar da outra pessoa?

LEIA TAMBÉM:

Como a saúde mental afeta sua produtividade

6 erros bobos que um líder pode cometer

Como dar feedback: confira 8 dicas importantes sobre o tema

Tags:
Jorge Tarquini

Curador do #Trendings.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *